O grupo da Carreira 758 da Carris

Relato do percurso da carreira da Carris “758″

No dia de Santo António, 13 de Junho de 2014 às 09h00, 11 participantes percorreram, a correr, o décimo primeiro percurso do  “corredor do BUS”, o da carreira da Carris “758″. Esta carreira, com cerca de 11.000 metros, liga o Cais do Sodré às Portas de Benfica, e foi percorrida no sentido ascendente.

Antes

Sexta-feira, nove da manhã. Feriado em Lisboa e um Sol radioso. Ainda a noite de Santo António se vivia em alguns corpos na cidade, engalanada, e nalguns cantos e recantos (e não só), apinhados de lixarada. O grupo, quase todo reunido e pronto a partir. Um amigo ciclista presente, preparado para nos acompanhar, e uma participante, não estava na paragem devido a um pequeno problema de circulação, facilmente resolvido através de um telefonema.

Durante

Depois da fotografia e do telefonema, arrancámos calmamente até à primeira paragem, no Largo da Misericórdia, onde encontrámos a “participante perdida” e visitámos um participante habitual, que neste dia estava a trabalhar, porque a vida não é só corrida ;)

Fomos avançando, sempre coesos e subindo, subindo, subindo, até ao Rato, depois Amoreiras passando pela Rua Dom João V (a mais complicada e íngreme), contornando em direcção a Campolide e paragem “oficial” para o primeiro abastecmento numa mercearia, que tinha água fresca a bom preço. Já não haviam mais subidas dignas desse nome e foi mais fácil a segunda parte do percurso, a descer a Rua de Campolide (com muito prédio envelhecido), e indo em direcção ao Jardim Zoológico. À porta da estação de Sete Rios, chamaram-me. Era nem mais nem menos do que o José Henriques, o presidente do Centro de Atletismo das Galinheiras. Foi uma surpresa encontrá-lo por ali, e o encontro ainda deu para combinar uma “surpresa” para o próximo Grande Prémio do Centro de Atletismos das Galinheiras, fiquem atentos.

Chegados ao Jardim Zoológico, viramos pela esquerda pela Estrada de Benfica, sem dúvida a parte mais aprazível do percurso. Os prédios e passeios encontram-se, no geral em boas condições, embora o estacionamento seja mediocre, alguns carros em cima dos passeios, especialmente perto de pastelaria em funcionamento, dificultavam a progressão. Este foi o único ponto do percurso onde isso aconteceu.

Quase a chegar à Amadora, e quase a chegar ao nosso destino, contornámos a rotunda da Estrada Militar e chegámos ao final do percurso. Por sorte a nossa, um autocarro estava na paragem, e pedimos ao simpático motorista para nos tirar uma foto de grupo, que está em destaque no topo desta história.

Depois

No final, o grupo partiu-se em dois, e depois em três. Primeiro, alguns dos participantes ficaram logo por ali, para voltarem para o seu destino a pé (um morava perto), ou de transportes, partimo-nos em dois. Seis de nós, voltámos então a correr. Até ao “Fonte Nova” com o Luís e a Eugénia, e depois, partindo-nos em três, fomos continuando a correr até casa, aqui já só com o Marco, atravessando Monsanto, descendo o Parque Eduardo VII até ao Marquês de Pombal, subindo o Conde Redondo, e daí por diante até chegar a casa.

Mapa do percurso

Clique aqui para visualizar o mapa do percurso.

Galeria de imagens

Fotografias do “corredor do BUS”.

Próximo percurso

O próximo percurso a realizar é o da carreira Carris “724″, no Sábado, 21 de Junho de 2014, às 09h00, com início em Alcântara, em Lisboa. Juntas-te ao “corredor do BUS” nesse dia?

 

 

1 comentário a “Relato do percurso da carreira da Carris “758″

  1. Pingback: Relato do percurso da carreira da Carris “758″ | Porque a vida não é só corrida

Os comentários estão fechados